Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘portal das jóias’

Hoje, 18 de maio de 2019, noite de lua cheia, lembrei-me desta antiga matéria que escrevi para o Portal das Jóias. Dando sequência ao resgate delas, resolvi ser esta a matéria da vez.

Segue na íntegra, ressaltando que foi escrita em 2005:

Este mês quero apresentar a vocês um novo material que estou agregando ao meu trabalho em cerâmica plástica, que é a argila de metal. Nas matérias que escrevi até hoje sempre frisei minha paixão pela modelagem, onde sentimos no tato e na delicadeza dos dedos o prazer da tridimensionalidade das pequenas formas livres que criamos.

Há um certo tempo que eu lia em sites e livros de outros países, artigos sobre uma massinha fabricada no Japão que, após a queima, transformava-se em uma linda jóia modelada em prata 1000 e ouro 22K. Parecia algo mágico, até mesmo difícil de acreditar.

Finalmente quase no término do ano passado (2004), para minha alegria, esse produto aqui chegou. Mais do que depressa corri para uma primeira aula, onde finalmente tive meu contato com esse novo produto. Posso dizer a vocês que achei surpreendente sair dessa aula com as primeiras jóias em prata feitas por mim.

Mas eu quis aprofundar meu aprendizado e logo me inscrevi para fazer um longo curso de certificação, onde durante 56 horas em período integral, aprendemos diversas técnicas dessa inusitada forma de trabalharmos a joalheria artesanal. A emoção foi enorme, tanto por ser a primeira turma no Brasil a certificar-se, como por estar lado a lado com meus colegas de curso, renomados joalheiros e verdadeiros mestres nessa no Brasil. Senti-me muito honrada em fazer parte dessa turma tão especial.

A Art Clay Silver e a Art Clay Gold são metais transformados em um pó extremamente fino, misturados a um agregado orgânico atóxico e água. Modelamos manualmente, secamos (nesta etapa assemelha-se a um delicado gesso seco), e é também nesta etapa onde passamos o maior tempo de trabalho, esculpindo detalhes e dando acabamento com limas, lixas finas e pequenas ferramentas. Depois vem a queima que, no caso desta massa de prata, podemos fazer de diferentes formas: na chama do fogão caseiro (sobre uma tela de aço), com o maçarico, ou em forno de alta temperatura (de 650 a 850°C). Após esse processo temos uma peça de prata com 99,9% de pureza. Na queima do ouro o forno é indispensável e a temperatura é mais alta (999°C). Após esse procedimento, é só dar o polimento adequado e bem caprichado e sua jóia está pronta!

Desde o início pensei em unir essas duas formas de modelagem, a do metal precioso com a cerâmica plástica, e considerei um casamento perfeito. É o metal nobre valorizando a massa plástica, esta que, por sua vez, já prima por todo o potencial artístico e criativo de suas muitas possibilidades técnicas e cores.

As peças que fiz e aqui apresento foram todas modeladas em Art Clay Silver e cerâmica plástica (técnica imitação de Opala). Fazem parte da coleção que denominei Luas de Maio, e que foram apresentadas depois à Art Clay do Brasil como meu trabalho de conclusão de curso, servindo como avaliação para eu tornar-me instrutora sênior certificada.

Em outra matéria escreverei sobre a imitação de opala em cerâmica plástica.

Até!

(autoria do texto e peças: Beatriz Cominatto)

Nota1: Matéria escrita e publicada no site Portal das Joias em 2005. Leia sobre.

Nota2: As peças foram feitas em 2005.

Read Full Post »

Conhecido e utilizado desde a Pré-História, o cobre é um metal que tornou-se parte imprescindível do dia a dia do homem em inúmeras aplicações. Comprovadamente manuseado há 10 mil anos, muito provável que já tenha sido descoberto e utilizado milênios antes disso. Foi o primeiro material empregado pelo homem em substituição à pedra na confecção de ferramentas, armas, moedas, utensílios e objetos decorativos diversos. Em escavações no Iraque foi encontrado até mesmo um colar, com estimativa de ter sido feito há 8.700 a.C.

O período da Pré-História começou com o aparecimento do homem na Terra há muitos milhares de anos, e foi subdividido em outros dois: a Idade da Pedra, até 5.000 a.C. (que abrange os períodos Paleolítico e Neolítico, havendo no meio deles um de transição que é o Mesolítico), e a Idade dos Metais, de 5.000 a 3.500 a.C., que é a última fase da Pré-História e também subdividida nas seguintes partes:

  • A Idade do Cobre, onde o homem descobriu o uso desse metal, que era então derretido, moldado em formas de barro ou de pedra e, depois de resfriado, ganhava forma sendo martelado. Esse período de utilização do cobre também foi chamado de Calcolítico.
  • Já na Idade do Bronze, aprendeu a misturar o estanho ao cobre, chegando assim ao bronze, uma liga de metal mais resistente que o cobre, também utilizado na confecção de esculturas, armas, ferramentas e outros utensílios diversos (sobre esse material escreverei em outra matéria).
  • Por fim veio a Idade do Ferro, onde o homem já exercia um melhor domínio da metalurgia, através do uso de fornos de alta temperatura, propiciando a elaboração de ferramentas bem mais resistentes. Por ser de obtenção, manuseio e fundição mais difíceis, esse conhecimento adquirido e empregado também em armamentos, causou uma grande supremacia de alguns povos.

Esse desenvolvimento da metalurgia proporcionou um grande avanço em muitos setores, principalmente o da agricultura com a fabricação de arados e outras ferramentas, mesmo que ainda rústicas, mas facilitando em muito o trabalho no campo, aumentando assim a sua produtividade.

A Era dos Metais marcou a transição do período Neolítico (Idade da pedra) para o Calcolítico (Idade do Cobre), dando início a períodos de melhor elaboração da vida em sociedade, com o desenvolvimento do comércio e da necessidade de registros, originando assim as primeiras escritas (pelos Sumérios, na Mesopotâmia), o que ocasionou a passagem da Pré-História para a História.

Já nos tempos mais atuais, com o desenvolvimento industrial, apesar de ter seu uso bem diversificado, o cobre passou principalmente a ser utilizado como condutor de calor e eletricidade, fazendo parte de fios e cabos.

O cobre tem coloração avermelhada e, quando em contato prolongado com umidade e gás carbônico, sofre uma lenta oxidação chamada de azinhavre (ou zinabre, popularmente dito), que proporciona ao metal uma interessante (e tóxica) pátina de coloração azul-esverdeada. É um metal que pode ser misturado a outros, como zinco, estanho, níquel, ouro, prata, alumínio, etc. São as chamadas ligas de metal, e somente as de cobre são mais de 400.

Mas a sua exploração e utilização em larga escala deveria ser revista, já que é um material não renovável, nem pela natureza e nem pelo homem. Além de sua forma pura, ele é encontrado principalmente em rochas ricas deste minério presentes em algumas regiões do planeta, como Chile, EUA, Peru, China, Austrália, Indonésia, Rússia e diversos outros países, em menor escala, incluindo o Brasil.

Sua imitação em cerâmica plástica é bastante interessante, pois proporciona resultados bonitos e fáceis de serem obtidos. Desde uma simples pátina com tintas após a queima, até mesmo trabalhando em finas camadas de massa já nas colorações desejadas (como nas peças de minha autoria que aqui apresento), buscando nessas camadas desbastadas antes e depois do cozimento o efeito envelhecido, tanto para a imitação do metal como do azinhavre (não utilizei tintas para simular essa oxidação). Se quiser poderá também, quando ainda crua, aplicar texturas deixando sua peça ainda mais expressiva. Depois de pronta e já queimada, poderá aplicar pequenos toques de pátina em cera na cor do metal, mas de forma bem sutil para não ocultar o feito oxidado.

Os resultados serão sempre surpreendentes e únicos.

(autoria do texto e peças: Beatriz Cominatto)

Nota1: Matéria escrita e publicada no site Portal das Joias em 2011. Leia sobre.

Nota2: Alguns pequenos trechos foram modificados nesta atualização. As peças foram feitas em 2011.

Read Full Post »